fev
17
Brincando carnaval

Recebi do Iluminalma Vida em Cristo, texto de um escritor que muito aprecio, Dennis Downing. Compartilho por concordar que esta é uma realidade. Pena que nestes dias nem tudo acaba como no refrão do samba pra tudo se acabar na quarta-feira. Acaba pra sempre.

 


 

“Era quarta-feira de cinzas. Estava sentado na frente da pequena sala onde aplicava injeções na emergência do Hospital Getúlio Vargas. Corredor lotado. Macas enfileiradas dos dois lados. Só dava para uma maca ou cadeira de rodas passar pelo meio, e o que passava de bombeiros chegando e maqueiros voltando era impressionante. Emergência lotada em hospital público não é novidade. Mas, durante Carnaval parece cenário de filme de guerra.

“Meu amigo Tavares, um morador de rua, estava no hospital devido a uma “brincadeira” de outro “amigo”. O “amigão” dele achou engraçado dar algumas latas de “cana” para Tavares e depois jogá-lo no chão em cima de uma planta venenosa. Até hoje não descobri o nome daquela planta, mas, o que ela fez com o braço de Tavares era de espantar. Parecia queimadura de terceiro grau. Além de uma fratura no braço, ele também sofria com a pele ardendo e corria sério risco de infecção.

“Lá estavamos, sentados em cadeiras de plástico, aguardando as injeções: antitetânica, de um antibiótico e do analgésico que Tavares precisava para aguentar a dor. Ainda alimentamos uma pequena esperança de conseguir uma maca para ele, pois Tavares teria que passar alguns dias naquele corredor.

“Enquanto aguardávamos, eu olhei as paredes da sala. Estavam todas enfeitadas com detalhes de decoração de Carnaval – serpentinas em fita de papel, buzinas, balões e chapéus de isopor, e as tradicionais máscaras de todos os tipos. Tudo com cores berrantes. Parecia uma alegria só. Fiquei olhando para a decoração festeira e para os homens, mulheres e crianças imprensados nas cadeiras e enfileirados nas macas no corredor. Quanta festa! Quanta alegria! Quanta dor! Quanta tragédia!

“É claro que nem todas as dezenas de pessoas sendo atendidas na emergência estavam lá em decorrência do Carnaval. Mas, nos dias que sucederam, conversando com um e outro, descobri que vários estavam lá, sim, justamente como consequência dos acidentes, das bebedeiras, das brigas e agressões, enfim, das “brincadeiras” da grande festa do rei Momo.

“Sabia que o “rei Momo”, personagem da mitologia grega, era filho do sono e da noite, e, de acordo com a lenda, foi expulso do Olimpo por ridicularizar os outros deuses? Imagine como o verdadeiro Deus se sente nos dias do nosso Carnaval!

“Sabia que a palavra Carnaval vem do latim “carne levare” que significa “abstenção de carne”? A expressão originalmente se referia à tradição da igreja Católica instituida no século XI da Quaresma, um período de 40 dias de privações que se iniciava na quarta-feira de cinzas e terminava na Páscoa. Uma idéia interessante, certamente com boas intenções. Entretanto, a chegada do período de privações acabou incentivando a entrega aos prazeres da carne no período que antecedia esses dias de abstenção. Logo começou a nascer o espírito do nosso “Carnaval”.

“Enquanto olhei os enfeites bonitos e alegres nas paredes da emergência, não podia deixar de ser comovido pelo contraste com os corpos agredidos, abusados e quebrados ao meu redor. Não havia lugar para se sentar. Um homem tentava dormir numa cadeira. Mãe e filha encolhidas em outra. Só dava para imaginar o que havia sucedido. Um senhor de idade vagava de sala em sala buscando uma pessoa para autorizar um raio-x.

“Conversei com os parentes de um jovem que sofreu um derrame. Veio de outro estado brincar carnaval aqui. E acabou em tragédia, paralisado em cima de uma maca. O irmão, perplexo, só olhava para o espaço. Ele aceitou, grato, uma folha com um salmo. Não tenho a coragem em lugares assim de “pregar”. Alguns tem. Eu não tenho. Só consigo fazer uma pergunta ou outra para compreender um pouco melhor o que estão passando. Escuto. Oro. Compartilho um salmo. É o que precisam.

“Fiquei olhando as máscaras na parede. O que talvez para alguns era um adereço alegre, para mim, parecia algo sinistro. Comecei a pensar, por que máscaras? Para que encobrir? Ocultar o que? O que se tem a ganhar com isso? Quem tem a ganhar com isso? Aí, me lembrei de quem encobre, esconde e finalmente engana. É o pai de tudo isso. É a arte, a profissão dele.

“Carnaval. É uma alegria só. Não é verdade? É o grande momento dos adultos “brincarem”. Sim, claro.

“Só não entendo por que os bancos de sangue tem que fazer tantos apelos nas semanas que antecedem Carnaval. Não faz sentido para mim por que o estado tem que mobilizar tanto policial nesses dias tão alegres. É um mistério por que as emergências ficam lotadas e o movimento no IML se torna tão intenso num momento tão festeiro. Nunca entendi por que aquela minha amiga que é obstetra diz que daqui a nove meses vai nascer tanto bebê nas maternidades públicas, e estranhamente de tantas mães solteiras. Estranho. Não dá para entender. Deve ser coincidência.

“Carnaval é uma alegria só, não é? Vai se juntar? Vai se divertir? Vai brincar? A escolha é sua. Mas, se for, não esqueça sua máscara.”



1 Comentário »

  1. Antônio, tô tentando ressucitar na vida blogosférica bem antes dessa Páscoa, e voltar a brincar de blogueiro bem antes das “brincadeiras” de Carnaval. Mas, é bom sempre voltar…pra onde , eu não sei, mas é bom…

    Eu trabalhei em um pronto-socorro durante um ano, e peguei a época do Carnaval também. Fazia plantões de doze horas, e o do carnaval foi muito problemático. Numa hora, chegaram dois enfartados. Um deles ficou na reanimação logo após o outro vir a óbito, bem ao lado da recepção onde eu trabalhava. Em seguida, chegaram 4 guris machucados, dois em praia e dois por acidente demoto. Um detalhe, o falecido tinha sido alocado na sala de curativos, e jazia há 4 horas, quando só então o IML apareceu pra recolher o cadáver. Só então, depois de 3 horas esperando, é que, um a um, os feridos começaram a ser atendidos.

    CAOS!! E ainda havia 40 pessoas esperando para atendimentos de média e baixa complexidades. Aquele plantão foi longe, longe demais!

    Um abraço e uma Feliz Páscoa do Senhor a você, Sônia e toda a família!

    Comentário by Ebrael Shaddai — abril 6, 2012 @ 5:03 pm

RSS feed for comments on this post. TrackBack URL

Leave a comment